Projeto 50 anos - Do meu tamanho

Projeto 50 anos

Do meu tamanho

por Stella Maximo 28/08/2012 Crônicas Projeto 50 anos - Do meu tamanho - Stella Maximo

50 anos… Metade do caminho, começo da descida, envelhecimento, nova etapa, mais experiências… Quantas definições podemos dar para demarcarmos limites e medos!

Particularmente, não quero demarcar, mas sim marcar, não somente a chegada, mas como me aproximo dela e como sonho em viver este ano. Então, vamos lá:

Primeiramente,  tenho orgulho de dizer minha idade, acho bonita, charmosa. Interessante que ela me dá algumas condições, entre elas a maturidade de viver minhas contradições de maneira mais livre, a coragem de arriscar.

Vejo que temos uma fase de puro trabalho até os 50 anos: aramos  a terra, escolhemos as sementes, fazemos a colheita, contemplamos a produtividade.

Quando olho para trás, vejo que corri muito, dias lotados de tantos afazeres, da casa, dos filhos, do trabalho. Curti e aproveitei muitas coisas, claro, mas hoje consigo apreciar o entardecer  e ficar mais comigo. Isso me leva a refletir mais, escutar melhor e conversar com meus barulhos internos.

Tento  sintetizar em uma única palavra, ou  numa principal, esse barulho e me vem descontrole. É viver o desapego do controle para podermos viver…

As preocupações nesta fase são maiores, ou apenas diferentes? Meus filhos iniciando a fase adulta, vivendo suas vidas, meus pais envelhecendo, pessoas queridas sofrendo com a senilidade das doenças degenerativas típicas dessa fase e meu próprio corpo também se alterando.

Em alguns momentos tenho medo, fico assustada, em outros, me percebo mais conectada com a natureza e com o universo, com Deus, com Self. Sinto que, para estar neste lugar, é preciso largar o controle. Mas como é difícil!

Os meses que antecederam meus 50 anos foram os mais estranhos. Algo dentro de mim me fez devagar, nos dois sentidos: uma estranheza interna e, fora, muitos dos meus sonhos se realizando, um momento que sempre esperei.

A alma exige que a escutemos. Estou sentindo qual é o meu tamanho, não sou o número que visto, não porque é bonito ser magra, mas minha alma gera sensações no meu corpo, avisando sobre o tamanho da medida da minha alimentação, por exemplo.

Ou o tamanho do meu conhecimento, não só advindo dos livros, mas das histórias que me pertencem, entre elas as diversas passagens que meu pai me conta, revelando seu amor pelo pai que se foi quando ainda estava com 9 anos de idade. A vida difícil de minha mãe, mas a sua força e beleza da juventude estão escritas em seu caráter e no amor genuíno que tem pelos próximos. Meus filhos, presentes divinos. Meu casamento e o meu marido, 27 anos de grandes lições.

Os encontros e desencontros, com as diversas pessoas que passaram pela minha vida, tantos momentos, lições, lágrimas, sorrisos, gargalhadas, estresses, raiva, isso me faz agradecer a todos que cruzaram meu caminho, por todas as situações que passei e todas as escolhas que pude tomar.

Erros para  alguns,  acertos para outros, mas do meu tamanho.

Um tamanho somente comparado pelo meu próprio tamanho. Eu sou a medida.

Só sei que meu tamanho busca eternos ajustes, remedidas, pois cada dia descubro mais coisas que me fazem ajustá-lo, modelar e ser mais consciente de meu alcance.

O projeto 50 anos é este: escutar, sentir a magia da alma e modelar meu corpo físico e psíquico. Talvez assim o caminho da senescência possa ser mais espontâneo e verdadeiro. E quem sabe menos senil.